Você sabe por que junho se tornou o mês do orgulho LGBTQIA+?

Quando chega o mês de junho algumas novas colorações começam a aparecer em diversos lugares. A bandeira com as cores do arco-íris surge em logotipos, nos banners publicitários das páginas, nos botões dos aplicativos e assim por diante. Essas mudanças acontecem em virtude das comemorações do mês do orgulho LGBTQIA+ que acontece no mundo inteiro e são responsáveis por provocar discussões na sociedade sobre questões fundamentais sobre gênero, sexualidade, preconceito e aceitação.

Atualmente essas questões são amplamente debatidas, a representatividade LGBTQIA+ nas mídias se torna cada vez maior e menos estereotipada, e as leis que garantem os direitos básicos à população estão avançando em direção a uma sociedade mais igualitária.

Mas obviamente nem sempre foi assim. Por exemplo, você sabe por que junho se tornou o mês do orgulho LGBTQIA+?

 

Stonewall Inn

Tudo começou em uma manhã do dia 28 de junho de 1969 no bairro Greenwich Village, em Nova York. Nas primeiras horas da manhã a polícia invadiu um bar chamado Stonewall Inn na Christopher Street, um lugar famoso por reunir jovens membros da comunidade LGBTQIA+, e começou a prender os donos do estabelecimento por vender bebidas sem licença. Nessa ação muitos clientes foram agredidos e o bar foi esvaziado.

Mas ao contrário das outras inúmeras vezes em que os donos e frequentadores do bar foram presos e agredidos, nesse dia a multidão, que foi levada para fora do bar, resolveu agir, primeiro com zombarias que logo se tornarem socos, garrafas e entulhos arremessados. A confusão e a revolta dos clientes forçaram os policiais a se refugiarem no bar e montaram uma barricada até a chegada de reforços.

Apesar da força policial ter conseguido dispersar a multidão naquele dia, tumultos continuaram a acontecer na frente do estabelecimento nos cinco dias subsequentes, e essas revoltas em Stonewall foram consideradas um estopim no começo da luta pelos direitos da população LGBTQIA+ no país.

Em novembro do mesmo ano foi proposta na Filadélfia uma marcha em resposta aos eventos acontecidos em Stonewall. O tema da marcha seria Orgulho (pride) Gay, em contraste com o Poder (power) de outros movimentos sociais pelos direitos civis nos Estados Unidos na década de 60. A marcha da liberação da Christopher Street aconteceu um ano após os acontecimentos e percorreu 51 quarteirões das ruas de Nova York. Foi a primeira demonstração pública da população LGBTQIA registrada no Estados Unidos e aconteceu sem maiores problemas.

 

As marchas e paradas crescem no mundo

Após esse primeiro evento e com o crescimento dos eventos que se espalharam pelo país, o mês de junho começou gradativamente a ser conhecido como mês do orgulho gay nos Estados Unidos (e logo após em outros países) à medida que as manifestações cresciam de tamanho. Em 1978 foi criada a bandeira do movimento, a famosa bandeira do arco-íris, que virou símbolo da população LGBTQIA+.

Aos poucos as marchas e outras reivindicações por direitos começaram a fazer parte da pauta no debate político de diversos países. No Brasil por exemplo, a união entre pessoas só foi aprovada por lei 2011 e só em 2016 foi permitido o uso do nome social de pessoas trans.

 

A procura da representatividade

É inegável os avanços conquistados pela população LGBTQIA+ nessas últimas cinco décadas, porém elas ainda estão longe de serem ideais. Além dos direitos civis básicos como casamento e adoção, existe ainda toda a questão da representatividade (em filmes, séries, novelas etc), uma peça-chave para que nossa sociedade seja mais justa para todos os tipos de pessoas.

Hoje alguns dos personagens LGBTQIA já não são apenas estereótipos, servindo apenas para algum alívio cômico e sim, são construídos como pessoas reais, com virtudes e defeitos, o que faz com que toda uma parcela da população possa se identificar com os personagens. Mesmo assim, ainda há muito a ser feito em relação a construir uma sociedade ideal para todos os seus participantes. Quer saber mais sobre cultura e sociedade? Acesse nosso blog e fique por dentro das novidades da Fiber.