Web 3.0: conheça o conceito por trás da internet do futuro

A web 3.0 é um conceito que vem ganhando destaque nos últimos tempos, sobretudo quando o assunto é blockchain, criptomoedas e NFTs. Mas o que é web 3.0, como ela vai mudar a forma com que os usuários se relacionam com a internet e como ela poderá influenciar aspectos básicos da sociedade?

Web 1.0 e web 2.0

Antes de compreender o que é a web 3.0 é preciso entender quais foram suas versões anteriores que, de uma forma ou de outra, ainda fazem e irão continuar fazer parte da internet no futuro.

O começo da utilização da internet, especialmente após a criação da www (world wide web) se dava basicamente de forma passiva, assim como acontece com outros meios de comunicação como a televisão e o jornal. As páginas basicamente eram links para textos, as fotos eram de baixa qualidade e a criação e manutenção dos sites era de difícil manuseio, o que fazia com que o investimento se resumisse as grandes empresas, especialmente aquelas ligadas à comunicação.

A primeira mudança de paradigma, ou a web 2.0, aconteceu entre 2000 e 2005 por conta da crescente interatividade das páginas. Primeiramente foram criadas as primeiras salas de bate-papo e programas como o mirc, icq (e posteriormente o msn) que permitiram a conversa entre usuários, principalmente por texto.

Outra mudança dessa época foi a criação e o crescimento exponencial das redes sociais como myspace, facebook e orkut (esse especialmente no Brasil), que aumentou ainda mais a interatividade entre os usuários. Outra mudança importante foi o surgimento de aplicativos de serviços que permitiram a interação dos usuários através da oferta de serviços prestados e outros tipos de negociações comerciais, como o Uber, e Airbnb, entre outros.

Essa segunda fase da internet também é marcada pelo domínio das big techs, conglomerados tecnológicos responsáveis por desenvolver novos aplicativos que, na sua maioria, podem estar interligados a outros serviços já disponíveis. É o caso do Meta (Facebook, Instagram, Whatsapp), Google (Youtube, Gmail, Google Play) e outros. À medida que essas inovações começaram a dominar o mercado, as corporações começaram a ter cada vez mais poder sobre os dados dos usuários, A venda desses dados é assunto delicado, e vem norteando a criação de lei para proteção dos mesmos, já que muitos deles são vendidos, especialmente para a criação de publicidade paga nessas plataformas.

Web 3.0 e o futuro

Web 3.0: conheça o conceito por trás da internet do futuro

A web 3.0, também conhecida como web semântica, tem como principal característica a descentralização e privacidade do usuário, pois o armazenamento não é feito através dos bancos de dados das big techs. A web 3.0 funciona através de blockchains que por sua vez é uma tecnologia que agrupa um conjunto de informações que se conectam por meio de criptografia, realizando transações e outras operações de forma segura.

A parte mais importante da utilização do blockchains, além é claro da segurança, é a forma descentralizada como são guardados os dados, fazendo com que o usuário tenha mais controle sobre seus dados pessoais, financeiros e além dos certificados de propriedade.

Criptomoedas, NFTs e interoperabilidade

Por conta da utilização do blockchains, as transações e negócios na web 3.0 são feitas por criptomoedas, que nada mais são que moedas digitais que, ao contrário do real, do dólar e outras moedas, só existem na internet. Essas moedas são descentralizadas, e não possuem nenhuma regulação de governo ou órgão intermediador.

A utilização das criptomoedas na web 3.0 pode se dar de diversas formas, uma das mais famosas delas é para compra de NFTs ou tokens não-fungíveis, que são ativos que não podem ser divididos dentro da internet. Eles podem ser, por exemplo, um item em um jogo online ou uma arte digital, e seus dados são gravados em blockchain, assegurando assim a segurança de propriedade de seus donos.

Apesar do nome mais confuso, o conceito de interoperabilidade é o mais fácil entre os três. Ele é a possibilidade de o usuário executar funções na internet com apenas um login e senha. Como seus dados estarão gravados em um blockchain, o usuário não vai precisar entrar e se cadastrar com diferentes nomes em diferentes plataformas, o que faz com que ele tenha mais controle sobre a privacidade de seus dados.

Desafios da web 3.0

Web 3.0: conheça o conceito por trás da internet do futuro

Alguns desafios surgem para que uma parte substancial da população comece a usar os recursos da web 3.0. O primeiro deles é a dificuldade de uso, as plataformas são difíceis de utilizar para quem é leigo e não tem intimidade com programação. Além disso, alguns recursos precisam ainda se popularizar, como é o caso dos conceitos de carteiras digitais, chaves públicas e privadas, além das práticas de segurança.

Um outro desafio, esse ainda mais complexo, são as boas práticas dentro da web 3.0,pois com a descentralização e ausência de regulação das plataformas, os usuários da web 3.0 acabam, se tornando alvos fáceis de ciberataques, propagação de discursos de ódio e a formação de gangues virtuais.

De concreto apenas pode se dizer que as funções da web 3.0 crescem de relevância a cada dia, especialmente com a criação cada vez maior de espaços de realidade virtual e realidade aumentada, como os metaversos e jogos online, além é claro das movimentações financeiras que ocorrem através das criptomoedas. Porém resta saber se a web 3.0 será esse espaço democrático onde os usuários terão mais controle de seus dados na internet ou apenas uma novidade para neófitos da tecnologia.

Quer saber mais novidades sobre tecnologia e comportamento, acesse nosso blog e encontre mais conteúdos exclusivos sobre o assunto.